terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Recife Envergonhado

Texto: João Valadares, para o PE Body Count
Foto: Alexandre Gondim/JCimagem



Alcides não acontece todos os dias. É símbolo. Desses que não são inventados. Daqueles que orgulha, que faz todo mundo repensar a vida, as oportunidades, os acertos, os erros. Alcides é história boa, daquelas que enche um livro inteiro, que faz a gente querer contar todos os detalhes para o taxista, o porteiro, os colegas de trabalho, para todo o mundo.

Morador da Vila Santa Luzia, na Torre, filho de uma ex-carroceira, tirou fino da miséria e passou no vestibular de Biomedicina da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Passou bem. Foi primeiro lugar entre os alunos das escolas públicas. Não fazia outra coisa. Só estudava e frequentava o grupo jovem da Igreja da Torre. Deixou a mãe louca de felicidade. E a Vila Santa Luzia também. As mães de lá ganharam um rosto para mostrar aos filhos. "Tá vendo aquele ali. Passou no vestibular."

Aos 22 anos, Alcides ganharia o diploma em setembro. Iria fazer mestrado e depois doutorado. Mas ele morava no Recife. Foi o bastante para levar dois tiros na cabeça. Estava estudando à 1h da sexta-feira. Arrastado de casa por dois homens numa moto. Morreu na frente da mãe e das três irmãs. Queriam matar outro.

Encontrei com a mãe dele, dona Maria Luiza, hoje pela manhã. Ainda estava vestida de orgulho, com o jaleco branco do filho. Faltava bem pouquinho para ela dizer ao mundo que era mãe de um biomédico. Pouquinho para dizer que não era mais uma. Contou todo o sofrimento. Disse que ainda se agarrou com os assassinos. Mas não teve jeito. Conseguiu evitar apenas o terceiro tiro. Os dois primeiros já haviam interrompido o seu maior sonho. Maria Luiza voltou a ser mais uma. Hoje é 8 de fevereiro e 386 mães choraram, apenas neste ano, a morte de um filho.

2 comentários:

Caio Viana disse...

Terrível, realmente, mas infelizmente, Alcides é só mais um, ao contrário do que o texto passa... ele é só um a mais, apenas o mais famoso destes... poderia ser eu, você, qualquer um!
"Ah! Vida real, como é que eu troco de canal?"

Wesley Prado disse...

Mas o problema é esse, Caio: ser mais um, mais um... Quando deveria ser menos um, menos um... Mais famoso? Sim, porque ele era exemplo e não regra. Infelizmente, na hora da morte, ele foi regra. Assim como poderia ter sido eu, você ou qualquer um.

Uêba - Os Melhores Links Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!