segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Ah, os bons tempos de espionagem...

Segunda adaptação do romance homônimo de John Le Carré para os cinemas traz sobriedade e inteligência, duas coisas que certamente fazem parte do mundo da espionagem, mas que faltam na maioria dos filmes que retratam esse universo


Quando se pensa em filme de espião, qual o primeiro nome que vem à mente? Provavelmente, a resposta será 007, com o lendário James Bond (especialmente a fase Sean Connery), ou Missão: Impossível, que para os mais novos é representada na figura de Tom Cruise com o seu atlético Ethan Hunt. Talvez a trilogia Bourne lhe surja em algum recanto escuro da memória. Não importa, mesmo os filmes antigos de 007 não conseguem recriar uma atmosfera crível do que era a verdadeira espionagem nos tempos da Guerra Fria. Coisa que O Espião que Sabia Demais (Tinker Tailor Soldier Spy, 2011) faz com precisão perturbadora.

Primeiro: definitivamente não é um filme pipoca. Não é um filme para assistir se tudo que você quer é relaxar e não ter que ficar prestando atenção em detalhes. O diretor sueco Tomas Alfredson (que dirigiu a versão original do cultuado Deixe Ela Entrar) cria uma trama a ser descoberta com cuidado, através de ângulos inusitados e closes que arrancam sinceridade do elenco. Há no ar um constante tensão, acompanhada de paranoia. Esse ritmo mais lento que o usual talvez afaste algumas pessoas, mas se você estiver disposto, vai aproveitar duas horas de bom cinema.

Quem é o traidor?
O Serviço Secreto inglês suspeita que há um agente russo infiltrado no seu alto escalão. E o homem convocado para uma investigação secreta é justo um dos membros desse grupo, George Smiley, recentemente aposentado. A partir de sua investigações, a história é contada através de flashbacks muito bem colocados, com uma sutileza que às vezes pode confundir, mas logo comunica ao espectador o momento em que aquela cena se passa.

O universo da espionagem é sempre retratado de forma limpa e sóbria, calculada nos mínimos detalhes (exceto em algumas partes da cena da tortura russa). A direção de Alfredson é grande responsável por isso, pegando o detalhe, filmando de onde não se espera, percebendo o ambiente com calma. Não há porque correr, isto aqui não é um filme de ação com espiões. Essa preocupação com o timing gera um certo desconforto inicial, mas que desaparece a medida que se mergulha na intricada trama.

O nível de atenção que o filme exige é bem alto. É preciso ficar ligado desde os primeiros minutos de exibição. Se você perder o bonde, vai ser bem difícil correr atrás. Na cena em que Smiley encontra seus superiores para relatar suas primeiras descobertas concretas, o clima de confusão será quase inevitável se a concentração até então tiver sido pouca.

Smiley (Oldman) e Guillam (Cumberbatch), uma grande dupla
O elenco tem Gary Oldman, milimétrico em sua atuação, porém um tanto apático. Em nada lembra, por exemplo, o carisma de Sirius Black, da cinesérie Harry Potter. Seu personagem tem pouco apelo emocional, mas muita maturidade; o oscarizado Colin Firth, novamente excelente, trazendo um pouco de vida ao ambiente esterilizado da alta espionagem, com seu jeito despreocupado e irônico; e um dos queridinhos de Christopher Nolan, Tom Hardy, que faz o possível para acompanhar a grandeza de Oldman e Firth. O restante do elenco é bem menos famoso, mas de boa qualidade, como Benedict Cumberbatch, que também pode ser visto em Cavalo de Guerra, e Mark Strong, que apesar de ter a mácula chamada Lanterna Verde no seu currículo, demonstra seu talento no papel de um agente solitário e muito fiel aos amigos.

A maior graça de O Espião que Sabia Demais é o clima de velharia, de estilo old school revisitado, de nostalgia e criticismo de uma época em que as decisões tinham um peso muito maior que agora. A própria estética dos minutos iniciais do filme lembram um pouco os (verdadeiros) filmes de espiões. Mas peca nesse apego à marcha lenta, um tanto sonífera, que apesar do bom elenco, pode trair a expectativa de muita gente.

O Espião que Sabia Demais
Nota: 6.8/10


= = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = = =

Wesley Prado é recifense, leonino, quase jornalista e nostálgico. Lembra da queda do Muro de Berlin. Simplesmente louco por quadrinhos, RPG, livros e cinema. Criador do Caixa da Memória, mas humilde demais para querer ser chamado de deus ou papai.

Um comentário:

Houldine Nascimento disse...

Super legal o texto, mestre. Eu esperava mais de "O Espião..." pela ótima recepção que ele teve no exterior, pelo elenco (que não decepciona) e pelo diretor, mas, francamente, não tive a sensação de assistir a um grande filme. É até contraditório um roteiro bastante denso (a meu ver é o maior problema, junto com a montagem) e o ritmo bem demorado.

Mas gosto do jeito minimalista de Tomas ao compor a obra. E a cena final ao som da versão de Julio Iglesias de La Mer é excelente (a trilha de Alberto Iglesias é boa, mas ainda melhor é a dele em "A Pele que Habito"). É legal ver Oldman nomeado ao Oscar, embora não seja tanto por esse papel (bem contido, fez o que o personagem exigia), mas sim por sua bela carreira. Numa escala de 0 a 10, daria 7, ou seja, temos uma percepção parecida quanto ao filme. Podia ser (bem) melhor.

Abraço.

Uêba - Os Melhores Links Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!