terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Lutar para Vencer a Si Mesmo

Apesar de ser mais um filme de superação, bem ao gosto ianque, O Vencedor chega com fôlego de campeão, graças a ótimas interpretações e personagens marcantes.



Era uma vez um fracassado. E ele vai enfrentar uma série de obstáculos, físicos e psicológicos, seguindo um tortuoso caminho rumo ao sucesso. E depois de muito penar, lá vem o ex-fracassado, consagrado, comemorado, idolatrado. E saímos do cinema com aquele alívio de ter visto a história de um vencedor.


A receita é batida. Muito batida. O cinema está cheio delas. "Rocky, O Lutador", "Nós Somos Campeões", "Golpe Baixo" e até "Babe, O Porquinho Atrapalhado", todos esses filmes contam histórias de loosers que viraram winners no final. Não é diferente com O Vencedor (The Fighter, 2010; um raro caso onde o nome em português ficou melhor que o original), de David O. Russel. O diferencial, porém, fica por conta de um elenco bem escolhido e de seus personagens muito melhores que a média.


Sim, ele vai sofrer um bocado. Como de costume.
Primeiro, deve-se honrar, e muito, a participação de Christian Bale nesse filme. O ator que ganhou o estrelato ao assumir o manto do Homem-Morcego em Batman Begins e que sofreu certos preconceitos quanto ao seu talento, ressurge novamente transfigurado, magérrimo, adotando a postura de um herói de cidade pequena, louvando glórias de um passado perdido e se enterrando numa vidinha medíocre e desacalentada. 


É um lindo contraste que em "O Vencedor", todos os personagens de destaque sejam perdedores em algum grau.


Ele viv Dicky Ecklund, um ex-boxeador que teve seu brilho ao nocautear Sugar Ray Leonard, e parece ter apenas isso para contar. Isso e o sucesso do irmão, boxeador em ascensão, Micky Ward (Mark Wahlberg), que está numa péssima fase, quase desistindo do esporte e voltando para sua vidinha pacata e sem graça. Para completar o circo, temos Alice (Melissa Leo), uma mãe superprotetora e que ainda conta com o casting de sete filhas tão lunáticas quanto ela, e Charlene (Amy Adams), uma namorada moderninha que só depois de um tempo vai mostrando as garras. Pronto.

Coadjuvantes em estado de graça: Christian Bale outra vez irreconhecível...
Bale, Leo e Adams formam o tripé que sustenta "O Vencedor" de início ao fim. Wahlberg fez sua parte, mas ele demora tanto a se destacar que termina "perdendo o bonde". Faz sua parte, mas nem de longe com o mesmo sucesso. Não dá pra fugir do apelo de Dicky, um homem derrotado por si mesmo; de Alice, uma mãe irritante e histérica que supervaloriza o filho arrasado enquanto deixa meio de lado aquele que ainda pode se salvar; e de Charlene, um jovem precocemente madura que enfrenta uma família pirada para tentar abrir os olhos do homem que ama.


... Melissa Leo, insuportável. E por isso, perfeita...
É um lindo contraste que em "O Vencedor", todos os personagens de destaque sejam perdedores em algum grau. E engraçado como os limites sobre quem vai se moldar no vencedor do título, se Dicky/Bale ou Micky/Wahlberg, são bem estreitos. Nem no cartaz do filme fica claro quem é o herói. Isso porque ambos enfrentarão seus respectivos desafios, na esperança de alcançar aquilo que desejam. E quando a necessidade surge, esses caminhos se cruzam, e aí o vencedor do título finalmente surge, para acalentar aqueles que precisam da obviedade.


... e Amy Adams, durona e amável no mesmo pacote.
Num filme de coadjuvantes fantásticos (inclusive com disputa interna no Oscar da categoria, entre Melissa Leo e Amy Adams) e de uma história que já se sabe para onde vai - diferente, por exemplo, de "Menina de Ouro", só para ficar no mesmo "ringue" - "O Vencedor" garante a diversão por mostrar pessoas bem reais, por mais caricatas que elas possam parecer em alguns momentos. Assim como nós mesmos. E ainda nos dá aquele gostinho de "ele conseguiu", aquela catarse esquisita de quando conhecemos um exemplo de sucesso. Ainda mais quando vem com o carimbo de "baseado numa história real".


O Vencedor
NOTA: 7,2/10





- x - x - x -


Uma curiosidade: o treinador de Micky Ward, Mickey O'Keefe, é interpretado por... Mickey O'Keefe, policial da cidade de Lowell, Massachussetts! Não poderia dar mais credibilidade ao personagem do que isso, né?


"Respeite a autoridade!": aquele policial ali no fundo realmente treinou Micky Ward.
Ou seja, não se engane pelo dedinho na boca.

Um comentário:

Caio Viana disse...

Chegou primeiro, hein!?
Muito bom o post, mas pretendo escrever o meu com todos os filmes juntos, assim que terminar de vê-los!

Uêba - Os Melhores Links Está no seu momento de descanso né? Entao clique aqui!